Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2015

CONSOLAÇÃO

CONSOLAÇÃO
(OLAVO BILAC)

Penso, às vezes, nos sonhos, nos amores,

Que inflamou à distância pelo espaço;

Penso nas ilusões do meu regaço

Levadas pelo vento a alheias dores...

Olavo Bilac

 

GLOSA

Penso, às vezes, nos sonhos, nos amores,

Que voaram de mim espaço fora,

Mesmo assim, me distraem, criadores

De emoções que demoram ir embora.

 

Eram amores caros de outra era

Que inflamei à distância pelo espaço;

Vivi-os numa doce primavera

E a mandar-lhes sonetos num abraço.

 

Penso num tempo casto e não devasso

Como ele hoje é de tanta liberdade;

Penso nas ilusões do meu regaço,

Na vida da família com saudade.

 

Sonho e lembro pessoas tão amigas,

Que foram bons poetas, escritores;

E com eles se foram as cantigas

Levadas pelo vento a alheias dores…

 

Clarisse B. Sanches - Góis Portugal

P. S. Último artigo publicado em vida por D. Clarisse Barata Sanches. Faleceu a 25 de dezembro de 2018 e as cerimónias fúnebres realizaram-se a 27 do mesmo mês. Ler mais aqui...

Prosa e Poesia (Índice): ,

publicado por canticosdabeira às 10:04
link do post | comentar | favorito
Sábado, 2 de Agosto de 2014

LÁGRIMAS OCULTAS

LÁGRIMAS OCULTAS

“Se me ponho a cismar em outras eras”
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me-que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida…

FLORBELA ESPANCA

GLOSA 

“Se me ponho a pensar em outras eras”,
Medito nessa vida, com Saudades
De sonhos encantados e quimeras,
Aonde eu via só felicidades!

 

Hoje choro de penas e de amor
“Em que ri e cantei, em que era querida”,
E via o meu Jesus em cada flor
A decorar no campo, a linda Ermida!

 

Agora, sinto penas e, deveras,
Meu cérebro já cheio de memórias,
" Perece-me que foi noutras esferas”
E que tudo o que digo são histórias!

 

Mas não. Eu via amigos e abraços
A dizerem-me adeus na despedida
A com flores, até, no meu regaço,
Parece-me que foi numa outra Vida.”

Clarisse Barata Sanches - Góis - Portugal

Sem título

Prosa e Poesia (Índice): ,

publicado por canticosdabeira às 15:28
link do post | comentar | favorito
Sábado, 12 de Julho de 2014

PASSANTES DA TERRA

A Terra imensa e tão magnificente,
Em nada nos pertence, enquanto vivos…
Mesmo saudáveis, jovens e ativos,
Somos dela, passantes, simplesmente!

 

Felicidade, Amor, honra influente,
Por mais que sejam bens estimativos,
São todos, eles, dotes fugitivos
Que a morte leva, um dia, de repente!

 

Há quem se julgue rico e proprietário,
Quando muito, será usufrutuário
Dum bem que pensa ter, mas não é seu…

 

A nossa Vida é qual sopro divino,
E porta entreaberta, do destino,
A fazer-nos passagem, rumo ao Céu!

 

Clarisse Barata Sanches – Góis – Portugal

Prosa e Poesia (Índice):

publicado por canticosdabeira às 10:03
link do post | comentar | favorito
Domingo, 6 de Julho de 2014

TODA ESTA NOITE UM ROUXINOL CHOROU

"As fêmeas que estão à procura de um companheiro tornam-se extremamente ativas por volta da meia-noite"

 

QUADRA DE FLORBELA ESPANCA

Toda esta noite um rouxinol chorou!
Gemeu, rezou, gritou perdidamente!
Alma de rouxinol, alma de gente,
Tu és, talvez, alguém se que se finou!

FLORBELA ESPANCA

GLOSA

Toda esta noite um rouxinol chorou”
 Chorou e não deixou dormir a gente,
 E só de madrugada se calou;
 Mas porque estava ele descontente?!

 

Abri uma janela, ele cantou,
“Gemeu, rezou, gritou perdidamente!”
Mas, num momento, alegre, se calou
Ao ver a companheira à sua frente!

 

Sem ela, numa noite, impaciente,
Apeteceu-lhe logo ir voar,
“Alma do rouxinol, alma de gente,”
E abala de manhã com o seu par…

 

Andava arreliado o rouxinol
E nesse voo, lindo, ele escutou:
Deixa te de lamúrias, olha o Sol!...
"Tu és, talvez, alguém que se finou!"

 

Clarisse Barata Sanches – Góis

Prosa e Poesia (Índice): ,

publicado por canticosdabeira às 11:40
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Maio de 2014

SAUDADES E LEMBRANÇAS

PELO FALECIMENTO DE D. EURICO DIAS NOGUEIRAARCEBISPO EMÉRITO DE BRAGA

D. Eurico Nogueira, Amigo meu,
Se menos escrevia, eu meditei:
Quem sabe se este Amigo aguarda o Céu
Que já teria ganho? Ponderei!...

 

Deixou muitas lembranças que escreveu,
Algumas delas, sim, também guardei;
Dornelas, terra nobre onde nasceu,
Levou-a, sim, na alma, p´lo que sei.

 

Deixa Saudades, que em Braga criou,
E em África viveu, mas não gostou
Do modo da descolonização!...

 

Foi erro e Portugal não foi feliz,
Poderiam ter feito dois “Brasis”
De aberto e generoso coração!...

Clarisse Barata Sanches - Góis - Portugal

Prosa e Poesia (Índice): ,

publicado por canticosdabeira às 11:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 15 de Abril de 2014

QUARENTA ANOS DE DEMOCRACIA

 VINTE E CINCO DE ABRIL

        

 Qu´riam vir os militares

 Na Assembleia falar,

                                     Mas porque não há bons ares,

                                     Não podem desabafar…

 

Se quiserem podem vir.

A porta não está fechada,

                                      Mas venham só para ouvir,

                                      A norma, é chucha calada…

 ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Quarenta anos, já, de Democracia,

Foi um dia importante, sim senhor,

Em que brilhou coragem, alegria

E se cantava à Pátria com Amor.

 

Vinte e cinco de Abril um belo dia

Pra se dar à Nação mais um fulgor.

Mas começou a vir desarmonia,

Já com tão poucas honras e louvor!

 

Chegou a Liberdade, a insegurança

E já não sorri, muito, a esperança;

Cravos lindos nas armas, e, entretanto,

 

Hoje meu Portugal, apenas. tem

Ricos demais e pobres sem sem vintém…

Vila Morena, assim, eu já não canto!

 

Clarisse B. Sanches - Góis - Portugal

Prosa e Poesia (Índice):

publicado por canticosdabeira às 14:02
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Abril de 2014

SAUDADES TENHO, SIM, DO NOSSO ESCUDO


Do Escudo tenho, sim, Saudades, visto

Saber, que o Euro compra só, então,

Um cafezinho ou dois, apenas, isto;

E para um chocolate não dá, não.

 

Quem me dera o Escudo em minha mão;

Rendia muito mais que aquele cisco

Do euro que foi nossa perdição

E nem dá pra comermos um petisco.

 

Com Duzentos e tal eu compraria

Comida boa, sim, e me daria

Para comer três dias à vontade…

 

Ai, euro, nossa ruína na carteira

Que não dá pra comprar nada na feira…

Mas, só pra ter do Escudo mais Saudade!

 

Clarisse Barata Sanches - Góis - Portugal 

(Este trabalho fica arquivado, a cores, no meu Álbum de Lembranças 47)

Ver: Album de Lembranças 

Prosa e Poesia (Índice): ,

publicado por canticosdabeira às 21:40
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2014

MAIS UM GOIENSE, AMIGO, NO CÉU

Dr. VICTOR MANUEL MOURISCA CLARO

Dr. NINI jpg

  Doutor “Nini” foi um Goiense Amigo,

 E bem cedo  ficou sem seu Amor

 Que não pode levá-lo, não, consigo,

 Mas deu-lhe duas rosas, de esplendor!...

 

 Amava a sua terra com fervor,

 Gatinhos que não tinham um abrigo;

 Das “Cartas do Marquês” sempre leitor,

 E a Judite a “Marquesa, nobre antigo.”

 

 Doutor “Nini”, permita o Senhor Deus

 Que a Esposa visse, já, nos Altos Céus,

 Para lhe dar notícias desta Vida…

 

 “Nini” deixou em Góis muitas Saudades,

 Mas estas são, de Deus, formalidades

 A passarem por todos de fugida!...

Clarisse Barata Sanches

cinco gatinhosjpg

Prosa e Poesia (Índice): ,

publicado por canticosdabeira às 10:57
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2014

SE EU FOSSE DEPUTADO, QUEM ME DERA

Se eu fosse Deputado, quem me dera

Com um governo tão desafinado…

Em que há tanto Credor à sua espera…

Mas sempre se enche o bolso ao Deputado!

 

Alguns só batem palmas, se eu estivera,

Dormia ali um sono descansado…

E a recordar o fado da Severa

Com um dos meus “compadres” lá ao lado.

 

A crise até os deixa ter preguiças…

Os subsídios dobram quais chouriças.

Ai crise, abençoada, grande Amor!

 

Se alguns choram com fome, tenho pena

De ver em Portugal a triste cena:

“Democracia”  chocha sem valor…

 

C. B. S.

Prosa e Poesia (Índice):

publicado por canticosdabeira às 11:33
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 30 de Janeiro de 2014

MUITOS QUEREM AGORA SER DOUTORES

Animais jpg. 2

Dantes na minha casa era assim:

 Havia muitos porcos e leitões,

 Tratava-se a fazenda qual jardim…

 Eis uma dessas tais recordações…

 

Tínhamos a “criada” de lavoura

Que ajudava a tratar da bicharada…

Uma vida, em geral, mais vivedoura

E a loja do comércio trabalhada.

 

Hoje não há emprego pra ninguém…

Porque as terras ficaram ao desdém

E as aldeias sem vida, sem fulgores…

 

Os comestíveis vêm do estrangeiro

E o País emprenhado, sem dinheiro,

Porque muitos preferem ser Doutores!...

Clarisse Barata Sanches

Prosa e Poesia (Índice):

publicado por canticosdabeira às 18:39
link do post | comentar | favorito

Sobre a autora

Novidades

MOTES DE ALEIXO
E
GLOSAS DE CLARISSE

Selo do Blog


Clarisse Barata Sanches

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

Prosa e poesia (por título)

CONSOLAÇÃO

LÁGRIMAS OCULTAS

PASSANTES DA TERRA

TODA ESTA NOITE UM ROUXIN...

SAUDADES E LEMBRANÇAS

QUARENTA ANOS DE DEMOCRAC...

SAUDADES TENHO, SIM, DO N...

MAIS UM GOIENSE, AMIGO, N...

SE EU FOSSE DEPUTADO, QUE...

MUITOS QUEREM AGORA SER D...

Prosa e Poesia (por mês)

links

favoritos

A PÁTRIA PORTUGUESA

Outras visitas


Prosa e Poesia (Meus Livros)



Clarisse Barata Sanches
Mais de 12 livros publicados:

Primeiro livro
Cantei ao Céu e à Terra
1983
(Poesias)

Segundo livro
Gracita Flor da Saudade
1985
(Poesias e Memórias)

Terceiro livro
Luz no Presépio
1985
(Poesias)

Quarto livro
Quadras do Meu Outono
1989
(Poesias)

Quinto livro
Hinos da Tarde
1994
(Poesias)

Sexto livro
Arca de Lembranças
1997
(Memórias)

Sétimo livro
Cartas para o Céu
1998
(Poesias)

Oitavo livro
Góis e Seus Poetas
1999
(Poesias - Antologia)

Nono livro
Góis e Seus Poetas
2000
(Poesias - Antologia)

Décimo livro
Murmúrios do Ceira
2002
(Contos e Narrativas)

Décimo primeiro livro
Sonhos da Alma
2004
(Sonetos)

Décimo segundo livro
Rosários de Amor
2008
(Poesias)

Motes de Aleixo e Glosas de Clarisse

Prosa e Poesia (Pesquisa)

 

De Clarisse Barata Sanches

Rosários de Amor

Dedicatória:
Aos “Rosários de Amor”


Boa amiga Clarisse,
Converti-me aos seus Amores.
São lindos os versos-flores!
Chorei... Queria eu que visse...

Não sei que “frio” me toma,
Ao ler tamanha beleza...
Não é frio, com certeza,
É o amor que me assoma.

Beijadas por andorinhas,
Se fazem as suas linhas,
Com glória, honra em flor.

Solta-se o “Grito de Paz”,
E ninguém mais o desfaz
Nos ”Rosários de Amor”.

Rosa Silva (“Azoriana”)
Angra do Heroísmo
2008/04/07

SAPO Blogs
RSS