Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

QUATRO AMORES

                       pansy2.gif (1315 bytes)                           pansy2.gif (1315 bytes)                        pansy2.gif (1315 bytes)                      pansy2.gif (1315 bytes)

 

                    "APESAR DE MENDIGO ENTRE OS MENDIGOS"   

                   (A FORTUNA NEGOU-ME OS SEUS FAVORES)       

                   (ENRIQUECEM-ME A VIDA QUATRO AMORES)

                   DEUS; A FAMÍLIA; OS LIVROS E OS AMIGOS"

 

                             FRANCISCO HENRIQUES

 

                 Em Memória deste Bom Amigo e Distinto Poeta

                de Almeirim.

 

                                             GLOSA

 

Como Deus quer, eu ando aqui no mundo

Sujeito a desenganos e perigos;

Mas não sou quem pensais, nem vagabundo,

"APESAR DE MENDIGO ENTRE OS MENDIGOS"

 

 

Se vivi alguns dias de alegria,

Só através de sonhos vi as flores...

Trabalhei qual um moiro e, todavia,

"A FORTUNA NEGOU-ME OS SEUS FAVORES"

 

 

Estando já no meu entardecer,

Jamais eu me adornei de resplendores!

E se não tive ajudas pra vencer,

"ENRIQUECEM-ME A VIDA QUATRO AMORES".

 

 

Com eles decorei meu lar singelo

E os acolhi, por bem, nos meus abrigos;

São estes que mais amo e por quem velo:

"DEUS, A FAMÍLIA;, OS LIVROS E OS AMIGOS".

...................................................

 

Pequeno diálogo onde me referi a Francisco Henriques no meu livro "Múrmurios do Ceira" :

 

"-Como deves saber, D. Brites morreu de parto quando nasceu em Almeirim o seu 10º filho,D.Gonçalo da Silveira, que foi Padre Jesuita célebre e mártir em terras de Moçambique.

Mas o que tu não sonhas, é que tive um bom Amigo e Distinto Poeta a viver na Rua D. Gonçalo da Silveira, em Almeirim. Francisco Henriques: o excelente Poeta que fez o favor de me oferecer o seu interessante livro de sonetos: "Cântico à minha Terra", tendo nele dedicado alguns sonetos a D. Gonçalo da Silveira. Há anos, passando por Almeirim, disse-lhe que temos cá em Góis o pai deste, num lindo Monumento renascentista e que, por esse motivo, gostaria de vê-lo cá na terra dos Silveiras.

Infelizmente, já não poderá suceder, porque o sr. Francisco Henriques foi vítima de doença grave, que bastante penalizou todos os seus amigos e acabou por falecer em 24 de Maio de 2002. Foi o filho que me deu a triste notícia. Tinha uma letra perfeitíssima e espetacular, como não conheci em ninguém. Que Deus o tenha na sua glória, junto de sua esposa a quem dedicou os mais sentidos e maravilhosos sonetos."

 

Como é sabido, Rancisco Henriques está muito justamente perpetuado na sua terra.

C.B.S.

 


publicado por canticosdabeira às 10:47
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De João Chamiço a 29 de Agosto de 2008 às 19:05
Fica aqui mais uma vez provado que o mundo é de facto muito pequeno e o nosso país ainda mais. E também fica provado que essa pequenez perde toda e qualquer dimensão quando o prazer da escrita se intromete.
Infelizmente, não me foi dado conviver de perto com esta figura maior da Cultura em Almeirim, embora o conhecesse pessoalmente.
Foi através de um sobrinho da esposa que tive o primeiro contacto com a sua escrita. Fiquei fã imediatamente, e por isso mesmo me dediquei a estudar a sua forma de escrever no intuito de tirar dela ensinamentos de que, de imediato senti necessidade. Até hoje.

Grato pela mensagem. Cumprimentos.


Comentar post

Sobre a autora

Novidades

MOTES DE ALEIXO
E
GLOSAS DE CLARISSE

Selo do Blog


Clarisse Barata Sanches

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

Prosa e poesia (por título)

Homenagem póstuma - Datas...

Tributo a Góis e seus Poe...

CONSOLAÇÃO

Carta do Marquês. Nov2014

LÁGRIMAS OCULTAS

PASSANTES DA TERRA

TODA ESTA NOITE UM ROUXIN...

SAUDADES E LEMBRANÇAS

QUARENTA ANOS DE DEMOCRAC...

SAUDADES TENHO, SIM, DO N...

Prosa e Poesia (por mês)

links

favoritos

A PÁTRIA PORTUGUESA

Outras visitas


Prosa e Poesia (Meus Livros)



Clarisse Barata Sanches
Mais de 12 livros publicados:

Primeiro livro
Cantei ao Céu e à Terra
1983
(Poesias)

Segundo livro
Gracita Flor da Saudade
1985
(Poesias e Memórias)

Terceiro livro
Luz no Presépio
1985
(Poesias)

Quarto livro
Quadras do Meu Outono
1989
(Poesias)

Quinto livro
Hinos da Tarde
1994
(Poesias)

Sexto livro
Arca de Lembranças
1997
(Memórias)

Sétimo livro
Cartas para o Céu
1998
(Poesias)

Oitavo livro
Góis e Seus Poetas
1999
(Poesias - Antologia)

Nono livro
Góis e Seus Poetas
2000
(Poesias - Antologia)

Décimo livro
Murmúrios do Ceira
2002
(Contos e Narrativas)

Décimo primeiro livro
Sonhos da Alma
2004
(Sonetos)

Décimo segundo livro
Rosários de Amor
2008
(Poesias)

Motes de Aleixo e Glosas de Clarisse

Prosa e Poesia (Pesquisa)

 

De Clarisse Barata Sanches

Rosários de Amor

Dedicatória:
Aos “Rosários de Amor”


Boa amiga Clarisse,
Converti-me aos seus Amores.
São lindos os versos-flores!
Chorei... Queria eu que visse...

Não sei que “frio” me toma,
Ao ler tamanha beleza...
Não é frio, com certeza,
É o amor que me assoma.

Beijadas por andorinhas,
Se fazem as suas linhas,
Com glória, honra em flor.

Solta-se o “Grito de Paz”,
E ninguém mais o desfaz
Nos ”Rosários de Amor”.

Rosa Silva (“Azoriana”)
Angra do Heroísmo
2008/04/07

SAPO Blogs
RSS