Terça-feira, 31 de Julho de 2012

OS MEUS AMIGOS

        Por Humberto Pinho da Silva

 

          

 

Diz Lucas (8:19,21), que estando Jesus a ensinar, avizinhou-se Sua Mãe e familiares. Como continuasse a pregar, avisaram-No; mas retorquiu: - “Minha mãe e Meus parentes são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática”.

Lembrei-me dessa passagem do Evangelho, esta manhã, ao abrir o computador e deparar com mensagens electrónicas de numerosos amigos.

Muitos são de longínquas paragens, mal os conheço, mas diariamente me saúdam, endereçando-me notícias palpitantes, recortes de jornais e PPs curiosíssimos.

Então pus-me a pensar: “ Não serão esses, que nunca se esquecem de enviar o que leram e viram de interessante, e partilham periodicamente, tristezas e alegrias, infortúnios e sucessos, a verdadeira família, os amigos dedicados?”

Há parentes que raramente vejo. Conheço-os porque surgem em casamentos e funerais; alguns moram a escassos quilómetros, mas encontram-se demasiadamente ocupados para indagarem, como me encontro. Depois, não precisam de mim.

Todavia, os virtuais, que moram a milhares de léguas, diariamente presenteiam-me: narram problemas; pedem orações para males, e entristecem-se ao saberem que estou enfermo.

Os laços que nos une, são mais fortes, mais reconfortantes, que vínculos de sangue de parentes, assim como de companheiros de infância ou colegas de escola, que não escrevem, não telefonam, não se preocupam com minhas enxaquecas.

Amiga virtual, distinta escritora, já falecida, confessou-me que todas as noites sentava-se diante do monitor, para desabafar comigo, problemas e consumições.

Em hora de solidão convidou-me para ir visitá-la, na sua bela casa solarenga. Adiei o encontro. Certa manhã recebi mensagem de familiar, dizendo-me que falecera.

Li, não sei onde, que senhora idosa, sem filhos e parentes queridos, resolveu distribuir os bens pelos amigos virtuais. Os únicos que lhe alegraram os últimos anos, já que parentes – em sua opinião, – só apareceriam para farejarem o odor da morte, na esperança de lucro.

Compreendo o gesto generoso, porque parentes e amigos, são aqueles que periodicamente nos visitam e nos dão apoio nas horas amargas. São os que por simples clik, encontram-se pela manhã, prontos para nos dizerem: - Bom dia! Como passa ?

-----------------------------------------------

 Prezado Amigo Humberto

 Muito grata por me ter colocado, no seu interrate Blogue Paz, o meu poema: Crianças são jóias do mundo.Depois hei-de mandar-lhe um soneto "Internet" que também aborda este mesmo assunto. Votos de muito boas férias,

 

Clarisse            


publicado por canticosdabeira às 21:35
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Humberto Pinho da Silva a 4 de Agosto de 2012 às 17:48
Não tem nada que agradecer. É com muito gosto que publico, sempre que possível os seus encantadores poemas.
Eu é que tenho que agradecer a transcrição da minha crónica. Apenas há uma pequena correcção a fazer: na 3ª linha onde se lê: continua-se, deve -se ler: continuasse.


Comentar post

Sobre a autora

Visitantes desde 08/04/07

Novidades

MOTES DE ALEIXO
E
GLOSAS DE CLARISSE

Selo do Blog


Clarisse Barata Sanches

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

Prosa e poesia (por título)

CONSOLAÇÃO

Carta do Marquês. Nov2014

LÁGRIMAS OCULTAS

PASSANTES DA TERRA

TODA ESTA NOITE UM ROUXIN...

SAUDADES E LEMBRANÇAS

QUARENTA ANOS DE DEMOCRAC...

SAUDADES TENHO; SIM; DO N...

MAIS UM GOIENSE, AMIGO, N...

SE EU FOSSE DEPUTADO, QUE...

Prosa e Poesia (por mês)

links

favoritos

A PÁTRIA PORTUGUESA

Outras visitas


Prosa e Poesia (Meus Livros)



Clarisse Barata Sanches
Mais de 12 livros publicados:

Primeiro livro
Cantei ao Céu e à Terra
1983
(Poesias)

Segundo livro
Gracita Flor da Saudade
1985
(Poesias e Memórias)

Terceiro livro
Luz no Presépio
1985
(Poesias)

Quarto livro
Quadras do Meu Outono
1989
(Poesias)

Quinto livro
Hinos da Tarde
1994
(Poesias)

Sexto livro
Arca de Lembranças
1997
(Memórias)

Sétimo livro
Cartas para o Céu
1998
(Poesias)

Oitavo livro
Góis e Seus Poetas
1999
(Poesias - Antologia)

Nono livro
Góis e Seus Poetas
2000
(Poesias - Antologia)

Décimo livro
Murmúrios do Ceira
2002
(Contos e Narrativas)

Décimo primeiro livro
Sonhos da Alma
2004
(Sonetos)

Décimo segundo livro
Rosários de Amor
2008
(Poesias)

Motes de Aleixo e Glosas de Clarisse

Prosa e Poesia (Pesquisa)

 

De Clarisse Barata Sanches

Rosários de Amor

Dedicatória:
Aos “Rosários de Amor”


Boa amiga Clarisse,
Converti-me aos seus Amores.
São lindos os versos-flores!
Chorei... Queria eu que visse...

Não sei que “frio” me toma,
Ao ler tamanha beleza...
Não é frio, concerteza,
É o amor que me assoma.

Beijadas por andorinhas,
Se fazem as suas linhas,
Com glória, honra em flor.

Solta-se o “Grito de Paz”,
E ninguém mais o desfaz
Nos ”Rosários de Amor”.

Rosa Silva (“Azoriana”)
Angra do Heroísmo
2008/04/07

blogs SAPO

subscrever feeds