Quinta-feira, 6 de Outubro de 2011

O PEQUENO PSICÓLOGO

 

                                     AOS PAIS

 

   O Pequeno PsicólogoJPG   

 

                                             

Não tenhais medo de seres firmes comigo e com vossos filhos nas vossas orientações. Preferimos assim e agradecemos, porque nos sentimos mais seguros.

Não faciliteis connosco Sabemos que não devemos ter tudo o que pedimos Quando pedimos e quase exigimos, às vezes, estamos a experimentar-vos…

Não permitais que adquiramos maus hábitos. Nós dependemos muito de vós para saber o que está certo ou errado. Quando tiverdes de nos admoestar, não o fáceis com irritação nem na presença de estranhos, pois aprenderemos muito mais se nos falardes com calma, carinho e a sós. Não nos protejais em demasia, das consequências dos nossos erros, pois, às vezes, precisamos  de aprender à custa própria, mesmo usando o caminho mais difícil.

Não leveis muito a sério as nossas queixinhas, pois a maior parte delas são para atrair a atenção e o mimo que desejamos.

Não sejais agressivos ao corrigir-nos. Se assim fizerdes, poderemos ser tentados ao proceder ao contrário do que nos propõem. Não nos façais promessas quer não possais cumprir, pois isto pode deixar-nos desapontados, perdendo a confiança em vós.

Não ponhais à prova a nossa honestidade. Somos facilmente tentados a mentir.

 

Não nos anunciei um Deus mal-humorado e vingativo. Isto não vos vai atrair, mas afastar-vos

d´Ele. Não nos respondais rigidamente ou a meias às perguntas que façamos, senão procuraremos na rua as respostas que não obtivemos em casa.

Não vos mostreis para nos como pessoas perfeitas e infalíveis, pois ficaremos desiludidos quando descobrirmos os vossos erros.

Não digais que os nossos temores não fazem sentido, antes, ajudai-nos a compreendê-los e ultrapassá-los. Não digais que não conseguis controlar-nos, pois julgaremos que somos mais fortes que os pais.

Não nos trateis como garotos, pessoas sem personalidade. Temos o nosso caráter, o nosso modo de ser. Não aponteis constantemente os erros das pessoas que nos cercam. Isto criará em nós, desde logo, um espírito intolerante. Não nos queirais ensinar tudo, pois gostamos de descobrir e experimentar as coisas por nós próprios.

Não desistais nunca de nos transmitir o bem, com palavras e atitudes, mesmo que pareça não estarmos a aprender.

No futuro vereis em nós o fruto da semente que foi sendo semeada.

Aos Pais: Não desistais nunca de fazer tudo o que estiver ao vosso alcance pelos vossos filhos, no respeitante è educação. Tentai estar atentos, pondo em práticas as sugestões acima, uma de cada vez. No futuro, teremos adultos mais felizes e responsáveis, se conseguirdes, em colaboração com os filhos, pô-las em prática.

                                                  A. Rodrigues/ Redacção/ Cruzada 


publicado por canticosdabeira às 16:21
link do post | comentar | favorito
|

Sobre a autora

Visitantes desde 08/04/07

Novidades

MOTES DE ALEIXO
E
GLOSAS DE CLARISSE

Selo do Blog


Clarisse Barata Sanches

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

Prosa e poesia (por título)

CONSOLAÇÃO

Carta do Marquês. Nov2014

LÁGRIMAS OCULTAS

PASSANTES DA TERRA

TODA ESTA NOITE UM ROUXIN...

SAUDADES E LEMBRANÇAS

QUARENTA ANOS DE DEMOCRAC...

SAUDADES TENHO; SIM; DO N...

MAIS UM GOIENSE, AMIGO, N...

SE EU FOSSE DEPUTADO, QUE...

Prosa e Poesia (por mês)

links

favoritos

A PÁTRIA PORTUGUESA

Outras visitas


Prosa e Poesia (Meus Livros)



Clarisse Barata Sanches
Mais de 12 livros publicados:

Primeiro livro
Cantei ao Céu e à Terra
1983
(Poesias)

Segundo livro
Gracita Flor da Saudade
1985
(Poesias e Memórias)

Terceiro livro
Luz no Presépio
1985
(Poesias)

Quarto livro
Quadras do Meu Outono
1989
(Poesias)

Quinto livro
Hinos da Tarde
1994
(Poesias)

Sexto livro
Arca de Lembranças
1997
(Memórias)

Sétimo livro
Cartas para o Céu
1998
(Poesias)

Oitavo livro
Góis e Seus Poetas
1999
(Poesias - Antologia)

Nono livro
Góis e Seus Poetas
2000
(Poesias - Antologia)

Décimo livro
Murmúrios do Ceira
2002
(Contos e Narrativas)

Décimo primeiro livro
Sonhos da Alma
2004
(Sonetos)

Décimo segundo livro
Rosários de Amor
2008
(Poesias)

Motes de Aleixo e Glosas de Clarisse

Prosa e Poesia (Pesquisa)

 

De Clarisse Barata Sanches

Rosários de Amor

Dedicatória:
Aos “Rosários de Amor”


Boa amiga Clarisse,
Converti-me aos seus Amores.
São lindos os versos-flores!
Chorei... Queria eu que visse...

Não sei que “frio” me toma,
Ao ler tamanha beleza...
Não é frio, concerteza,
É o amor que me assoma.

Beijadas por andorinhas,
Se fazem as suas linhas,
Com glória, honra em flor.

Solta-se o “Grito de Paz”,
E ninguém mais o desfaz
Nos ”Rosários de Amor”.

Rosa Silva (“Azoriana”)
Angra do Heroísmo
2008/04/07

blogs SAPO

subscrever feeds